antonio machado da costa pliteiro
 HistóriaVisitas: Contador de Visitas 

Foi assim que aconteceu...

    Gostaria de começar este pequeno resumo da história da Columbofilia da minha vida, com datas exactas, mas é quase impossivél pois o gosto por estes animais extraordinários vem desde que me lembro como gente.

   Lá na casa dos meus pais, sempre existiram pombos de fantasia, o que me despertou desde muito cedo o interesse por aves, mais especificamente pombos. Nesta altura ainda não sabia em que consistia exactamente a Columbofilia.

   Com o passar do tempo, os meus amigos, conhecendo este gosto especifico, convidaram-me para ir ver a minha primeira chegada de pombos, tinha eu 13 anos. Apartir deste dia, já olhava para os pombos com outros olhos, para alem de gostar deles, a admiração era agora diferente. Como pode um animal ter as capacidade que a pomba tem, tanta rapidez, poder de localização e esperteza.

   Com este bichinho na barriga, de querer também ter os meus primeiros pombos correios e poder participar mas tais corridas, não descancei até conseguir arranjar um emprego, para poder gastar um pouco do dinheiro que iria auferir, nesta nova paixão da minha vida. Depois de pensar em que ramo iria trabalhar, lembrei-me "e porque não, arranjar um emprego durante a noite?", assim iria juntar o util ao agradavél, nada melhor do que ganhar o meu dinheirinho, e ainda ter o dia livre para poder passar tempo com os meus novos amigos e companheiros, os Pombos!!! Desde dai, a escolha foi ser pasteleiro, influenciado pela pastelaria Ribela que na altura era do meu paí. Claro que comecei com o fabrico próprio da pastelaria.

   Agora, já com aproximadamente 15 anos, com trabalho e tempo para me dedicar mais ao pombos, eu, já com treinos e um puco mais de experiencia, comecei a largar pombos a 2 e 3 quilometros de minha casa, para ver as capacidades dos meus pombos. A minha primeira alegria de ver aqueles animais, criados por mim, que cresceram sobre os meus cuidados e minha protecção, voltarem a minha casa despois de uns tempos da largada. Esta foi uma das minha pequenas alegrias, que fizeram com que até hoje me mantivesse a concorrer neste lindo desporto que é a Columbofilia.

   A minha primeira chegada, recordo-a até hoje, foi ESPECTACULAR. Recordo-me até hoje de cada prova, cada chegada de pombos, é vivida como se fosse a sua primeira.

   Depois de algum tempo com pombos correios em casa, com apenas 17 anos decidi mandar as minhas pombas para competição.

   Passados 2 ou 3 anos de me iniciar na sociedade de Columbofilia, decidi concorrer para uma exposição de pombos. Foi participação que me foi despertada pela curiosidade, é uma coisa que não gosto muito. Mas nessa minha primeira e unica experiencia, ganhei o primeiro prémio distrital de borrachos. Claro que foi uma alegria, pois nem sequer sabia como funcionava tudo aquilo.