José Carlos Almeida Rosa

 NotíciasVisitas: Contador de Visitas 
MIKE TYSON APRESENTA CORRIDA DE POMBOS NA TV 15-04-2011

Documentário mostra Mike Tyson treinando pombos-correios para competição

Foto: ReproduçãoDesde o dia 06 de Março 2011, o canal americano"Animal Planet" começou a exibir um documentário dividido em seis partes, chamado de "Taking on Tyson", que mostra um lado mais sensível de Mike Tyson e revela seu amor pelos pombos. Antes do lutador se tornar um campeão, quando ainda vivia nas ruas pobres do Brooklyn, em Nova York, encontrou no animal um sentimento de paz e tranquilidade, que continuou até depois de se profissionalizar.

Em Portugal, o programa "Asas de Tyson" pode ser visto todas as sextas-feiras pelas 23 horas no canal "Discovery Channel". O primeiro documentário foi transmitido no dia 11 de Março 2011.

"A primeira coisa que amei na vida foi um pombo. Não sei por quê. Eu me sinto ridículo tentando explicar isso", disse o lutador de 44 anos.

"Os pombos fazem parte da minha vida. São uma constante de minha sanidade, de um jeito estranho. Se eu tiver a sorte de morrer velho, estarei criando pombos".

Dois portugueses são protagonistas do programa ao lado de Mike Tyson

Um dos grandes amigos de Mike Tyson (o português Mário Costa - natural da Murtosa), é o dono do "Bar Ringueside" (academia onde Mike Tyson treinava para as suas lutas) em Jersey City. Conheceram-se em 1982, quando Mike Tyson tinha 16 anos.

Um outro português, Hélder Rodrigues de 21 anos, natural de Arcos de Valdevez, é um dos adversários de Mike Tyson na competição. Uma das grandes paixões são os pombos-correio, desde que o seu mestre "Vinnie Torre" (treinador dos pombos de Mike Tyson e o Presidente do Clube Columbófilo de Lyndhurst) o introduziu pela primeira vez no mundo da columbófilia, o seu fascínio por esta modalidade logo se transformou numa obsessão.

O documentário tem a intenção de mostrar a vida de um astro do boxe que teve todas as honras que o esporte propõe, e a desonra da prisão. Além disso, trata a subcultura das corridas competitivas de pombos-correios, prática conhecida como columbofilia. Tyson cria pombos-correio em diversos locais e nunca tinha participado com eles de competições, mas agora quer se tornar campeão mundial de corridas de pombos-correios, com a mesma determinação com que praticou o boxe no passado.

"É preciso treinar todos os dias, se preparar. É como uma luta: se você não se preparar, não se sairá bem", contou o lutador se referindo ao treinamento com os pombos. "Mas, mesmo com todo treinamento do mundo, em última análise o que vale é a tenacidade dos pombos, sua perseverança e vontade de vencer".

O documentário mostra Tyson com seus 300 pombos-correio que trata no pombal "Tysons Corner" que tem ao lado da academia onde, no passado, treinava para suas lutas mais famosas no ringue. Mas além disso, também vai contar da infância do atleta que cresceu sem pai e perdeu a mãe aos 16 anos. O lutador lembra da sua primeira briga, aos 11 anos, com um garoto mais velho que ele, que tinha arrancado a cabeça de um dos seus pombos. Aos 13 já havia sido preso algumas vezes por causa de brigas e pequenos delitos, sendo mandado para um reformatório.

Mike Tyson ajudou dois rapazes (Junie e Rick) que andavam por "maus caminhos", convidando-os para seus ajudantes. Acrescentou ainda que os rapazes encontraram a necessária paz de espírito e sentem-se felizes e entusiasmados junto dos pombos.

O português Mário Costa (um dos grandes amigos de Mike Tyson), é o proprietário do Bar Ringueside em Jersey City e onde ambos têm um pombal com cerca de aproximadamente trezentos pombos. Foi precisamente nessa localização que as filmagens iniciais tiveram início. 

As características portuguesas no pombal estão bem presentes desde a sua construção até ao símbolo do Sport Lisboa e Benfica, clube pelo qual Mário Costa tem um carinho especial.

 

No pombal português de Mike Tyson

Há um par de anos, Mike Tyson era o tipo que tinha mordido a orelha de Evander Holyfield no ringue de boxe, que andava metido em drogas e tinha violado uma candidata a miss América.
 
Agora, converteu-se ao islamismo, tornou-se vegetariano e começou a dedicar-se à columbófilia. O pombal onde cria os pombos, nos arredores de Nova Iorque, tem azulejos do Benfica e bandeiras das quinas penduradas na parede. Assim fala o homem que teve tudo e perdeu tudo - menos um amigo, que por acaso é português (Mário Costa).

Quando alguém chega à esquina das avenidas Tonelle e Manhattan, em Jersey City, arredores de Nova Iorque, é provável que se esqueça de que está nos Estados Unidos. O cruzamento é dominado por um enorme edifício pintado de verde e vermelho, com a palavra Portugal escrita a amarelo. Junto à porta, uma bandeira do país feita em borracha. No quintal, um azulejo com o escudo do Benfica. O prédio não tem mais de dois pisos, mas ocupa um quarteirão inteiro da cidade. É simultaneamente restaurante, ringue de boxe e pombal.

Chama-se Tyson's Corner. Foi aqui que o maior pugilista do mundo depois de Muhammad Ali treinou durante anos. É aqui que ele cria pombos.

"Gosto de pombos desde miúdo", diz Mike Tyson à NS" horas mais tarde num hotel de Manhattan, sentado num sofá de pele diante de uma janela com vista para a baía do Hudson. "Na verdade, foi por causa deles que eu comecei a lutar. A columbófilia era o desporto dos pobres e eu faltava à escola para roubar pássaros. Um dia, três miúdos apanharam um dos meus pássaros e partiram-lhe o pescoço. Então eu virei-me a eles e, pelos vistos, ganhei, porque nunca mais me chatearam.

O Tyson's Corner - que acolhe quase mil pombos - pode ter o nome do pugilista, mas o proprietário do espaço é um português da Murtosa chamado Mário Costa.

Conheceram-se em 1982, quando Mike tinha 16 anos. "Havia nos anos oitenta muitos boxeurs em Jersey City e nessa altura eu pensei que abrir um ringue era uma ideia do caneco", explica Costa. "Um dia, apareceu-me aí o Cus d'Amato [que haveria de treinar Mike Tyson até morrer de pneumonia, em Novembro de 1985] com um miúdo que era muito promissor mas também muito indisciplinado. "Tyson tinha acabado de sair do reformatório, começou a praticar ali todos os dias. "Criámos uma ligação imediata porque eu criava pombos nas traseiras do ringue e o Mike gostava deles. No final dos treinos íamos sempre dar comida aos pássaros e conversar um bocado".

 

MIKE TYSON APRESENTA CORRIDA DE POMBOS NA TV 

Mike Tyson vai apresentar um programa na televisão norte-americana. Mas o tema não será boxe e sim as corridas de pombos. O "Reality show", que não tem data marcada, passará no canal "Animal Planet".

A escolha de Iron Mike não foi feita à toa, pois o pugilista manteve sempre a columbofilia no topo da sua lista de preferências na vida privada, desde muito jovem.

No documentário sobre a sua vida, Tyson adianta mesmo que quando era criança bateu num miúdo quando mataram o seu pombo de estimação.

As gravações do programa começam em Maio e a estreia não deverá acontecer antes de 2011.