José Carlos Almeida Rosa

 ReportagensVisitas: Contador de Visitas 
JORGE VICENTE & NUNO DANIEL (AROUCA) 06-07-2009

JORGE VICENTE & NUNO DANIEL
Campeões Absolutos 2009

em Arouca e Rossas

13 títulos de Campeão da Sociedade Columbófila de Arouca nos últimos 16 anos é um palmarés que não está ao alcance de qualquer colónia, mas Jorge Vicente & Nuno Daniel conseguiram-no e ainda este ano se sagraram Campeões Absolutos da SC Arouca e SC Unidos de Rossas (equipas diferentes com doublagem em fundo).

 Estava dado o mote para o início de conversa. De facto, com um domínio desta grandeza, perguntamos a esta dupla… a vossa colónia é muito melhor do que as outras, ou são as outras demasiado fracas? A resposta foi… "procuramos ter sempre o melhor no pombal, todos os anos metemos alguns pombos novos. Quando se trabalha com linhas de pombos com provas dadas tudo se torna mais fácil?".

 Ora isso já todos nós sabemos, estará o leitor a pensar. Mas como vamos ver ao longo da reportagem, existem muitos outros pormenores que tornam esta colónia bastante competitiva.

Nuno Daniel (pai) e Jorge Vicente (filho) são dois grandes entusiastas do nosso desporto.

Nuno Daniel lembra-se que quando se iniciou, há 50 anos atrás, construiu o pombal em casa dos seus pais e os pombos foram oferecidos por vários columbófilos.

Mais tarde, a colónia foi instalada em casa dos sogros, e há 25 anos atrás passou para o local actual, em Amilo - Arouca.

A colónia actual foi iniciada há 12/15 anos atrás e é constituída por pombos das linhas do Manuel Martins e Costa & Almeida, isto para velocidade e meio-fundo.

 Para o fundo, cultivam as linhas dos "Moços do Boco", Pedro Coelho e Vítor Quintela.

A "fábrica"

O pombal de reprodutores está dividido em dois compartimentos. No primeiro encontram-se instalados os 29 casais de reprodutores, no segundo estão 12 casais que servem para passar os ovos dos casais principais. Estes são considerados experiência, pelo que também testam alguns dos seus filhos para analisarem o seu valor como atletas.

Não têm casais de reprodutores certos, alternam anualmente, a não ser que apareça um fora de série... "às vezes troca-se para pior, mas se não experimentarmos não ficamos a saber".

Não hesitam em desfazer um casal que deu um pombo craque e o resto fraco. Anualmente, tiram 6 a 8 borrachos por casal, ou seja, não alteram casais no mesmo ano.

Tiram uma média de 160/180 borrachos por época. Separam os casais depois de terem reunido o número desejado, o que geralmente acontece em finais de Abril, princípios de Maio.

Quando são separados dos pais, vão para o seu próprio local... o "Pombal do Palheiro" e aí são aduzidos e treinados durante o ano de nascimento. Em Janeiro/Fevereiro do ano seguinte iniciam um programa de treinos, particulares e da colectividade, que se prolonga por toda a Campanha (de Vale de Cambra a Abrantes). De referir que cada um deles é encestado a 1 - 2 concursos pela equipa B - SC Unidos Rossas.

Dos 160/180 borrachos iniciais, chegam ao fim da Campanha seguinte cerca de 80. 20 a 30 são apanhados pelas aves de rapina e os restantes extraviam-se nos treinos... "também perdemos pombos, não somos diferentes dos outros".

Seleccionar?

Nesta colónia não seleccionam os pombos á mão. Todos têm dois anos de oportunidade. No segundo ano se não marcarem são eliminados. "Há pombos que no primeiro ano não fazem nada e no segundo se revelam grandes craques, mas há excepções á regra...".

Excepção

"Uma vez tivemos uma fêmea que andou três anos sem marcar um prémio e ao quinto ano foi a melhor fêmea de fundo da colectividade. Foi ficando porque era de bom sangue e já não tínhamos a mãe. Nesse ano, tínhamos poucos pombos de fundo e deixámo-la andar por aí...".

Fim de Campanha

Uma semana depois de terminada a Campanha é efectuada a selecção dos voadores. 20 ou 30 que são para arrumar, 4 ou 5 passam para a reprodução - os melhores voadores de quatro/cinco anos. Nesta colónia, os bons voadores são aproveitados até aos cinco anos de idade, exceptuando os pombos campeões ou aqueles que se destacam e dos quais não possuem os pais.

Os borrachos do "Pombal do Palheiro" transitam então para o pombal principal, acasalam todos os voadores, sendo separados depois de terem criado um borracho, passando a muda fechados no interior do pombal, só saem uma vez por semana.

De referir que nesta fase os pombos já são distribuídos pelas várias secções tendo em vista a Campanha seguinte. O casal já cria no casulo que irá ocupar, seja ele na secção da equipa principal, secção de fundo ou secção da equipa B.

Defeso

De Outubro a Dezembro não soltam os pombos... "é na altura em que estão a mudar as últimas rémiges e não gostamos de as esforçar, ficam todos dentro do pombal".

Aquecimento

Em Dezembro começam a sair do pombal á sua vontade, sem forçar os vôos. Um dia uma secção, noutro dia outra e por aí fora. Na segunda semana do aquecimento, começam por voar 15 minutos, sendo que a duração dos treinos vai aumentando progressivamente até ganharem ritmo de vôo, altura em que começam os treinos particulares.

Voam um total de quatro treinos antes do primeiro oficial. Os adultos... Coimbra, Penela, Fátima. Os pombos de ano... quatro treinos mais curtos com início em Vale de Cambra.

Choco e vacina

Acasalam os voadores de maneira a efectuarem um choco de 12/13 dias e voarem o primeiro treino oficial já com duas semanas como viúvos.

 Nesta fase são vacinados contra a paramixovirose, fazem-no nesta altura por ser mais fácil agarrá-los nos casulos.

Alimentação

Nesta colónia são utilizados quatro lotes de ração e que são de Dieta, Depurativa, Dieta Light (machos) e o lote Normal. As quantidades são sempre controladas diáriamente... "depende da quilometragem, do estado do tempo, do estado dos pombos, vamos analisando durante a semana, decidindo diáriamente a quantidade e o tipo de ração a servir. A mão é que faz os pombos".

Em termos gerais servem ração de dieta nas duas refeições de domingo (dia do concurso), 2ª e 3ª feira. 4ª, 5ª e 6ª feira, lote Normal e Depurativa no dia de encestamento.

Para a longa distância a ração é a mesma, mas leva alguns aditivos. Quais?... "não temos segredos, mas há trunfos que não podem ser revelados". Regra geral os fundistas treinam mais horas e comem uma ração mais forte.

Vôos diários

Os "pombos cá de dentro" voam diáriamente dois períodos de 25 a 40 minutos. Os de fundo, 45 minutos.

Motivação

À chegada, deixam os voadores ir aos ninhos, separando no final do dia. Até 4ª feira, permitem que os "pombos cá de dentro" venham para a voliére, depois disso passam o dia no pombal que é obscurecido.

No fundo, abrem a voliére na 2ª feira, dia em que tomam banho, depois disso obscurecem o pombal até ao encestamento... "é o sossego absluto".

Machos e fêmeas

Encestam igual número de machos e fêmeas... "os machos são um bocadinho melindrosos, mas se soubermos dar-lhes a volta marcam tão bem como as fêmeas. De facto, as Fêmeas soltam-se duas vezes por dia e está feito.

Os machos já não é assim, é preciso perdermos mais tempo no seu pombal, dar-lhes mais atenção e carinho".

Arouca

"Ao nível do distrito de Aveiro os columbófilos de Arouca estão desfavorecidos porque é raro os pombos virem na linha do concurso, mas sim acompanham o forte dos pombos que é a zona de Santa Maria da Feira, Ovar e São João da Madeira, e nós ainda temos que lhes dar tempo.

Por outro lado, Arouca é um buraco e a partir de Albergaria é só serras. Muitos concursos apanham bom tempo até essa zona e depois nevoeiro até cá.

Na nossa colónia procuramos contariar os arrastamentos e no fim-de-semana anterior aos concursos de longa distância efectuamos um treino aos fundistas da zona de Vilar Formoso.

Com este procedimento temos tido bons resultados como provam os dois primeiros distritais e que foram: 1º Múrcia 2005 Sector 5 ACD Aveiro (nº 3100913/05) e 1º Utiel 2007 Sector 5 ACD Aveiro (nº 5393522/05)".

Columbófilia

"A columbófilia é um desporto caro e está pouco divulgado pela comunicação social nacional. Os jovens não se metem nisto porque é caro, mas se os pais pensarem bem é uma actividade que mantém os seus filhos em casa e longe dos vícios que os podem prejudicar.

A finalizar queríamos agradecer ao Maximino Sousa, da Arrifana, que nos ajuda nas limpezas. Se não fosse ele, não fazíamos aquilo que fazemos".


O Campeão Jorge Vicente & Nuno Daniel


Parabéns ao campeão ... em 2010


O Campeão da Geral ... em 2011