José Carlos Almeida Rosa

 ReportagensVisitas: Contador de Visitas 
ALDEIA COLUMBÓFILA DE CASTELO BRANCO 09-01-2010
ALDEIA COLUMBÓFILA DE CASTELO BRANCO
 

10.jpg

Aldeia columbófila abre em Castelo Branco

A Câmara Municipal de Castelo Branco acaba de construir uma aldeia columbófila na cidade, com capacidade para albergar cerca de 1200 pombos. O requinte e a modernidade fazem com que seja classificada a melhor do país. 

A aldeia columbófila de Castelo Branco está construída e assume-se como uma das mais modernas do País. Situada no Parque de Desportos Motorizados, na recta do lanço Grande, aquela estrutura tem capacidade para albergar cerca de 1200 pombos, mas, assegura António Graça, presidente da Sociedade Columbófila de Castelo Branco, poderá vir a acolher muitos mais.

“A ideia é que a aldeia cresça e faça despertar o gosto da columbofilia junto das gerações mais novas”, explica António Graça. O investimento foi da Câmara de Castelo Branco, que assim respondeu positivamente a um anseio da Sociedade, fundada em 1948. Numa primeira fase a aldeia é composta por quatro pombais, com sistemas de drenagem e todas as comodidades que, diríamos nós, um pombo pode desejar.

Três dos primeiros quatro pombais já se encontram a ser utilizadas e a curto prazo será instalada a quarta. Joaquim Morão, presidente da autarquia, mostra-se satisfeito com a construção da aldeia. “Estamos a falar de um conjunto de pombais, construídos de acordo com todas as regras exigidas e os materiais mais modernos”, diz.

Joaquim Morão, adianta que “a autarquia respondeu positivamente aos anseios da Sociedade Columbófila, a qual tem participado em muitas provas nacionais e internacionais. Com esta aldeia criamos as melhores condições para que os columbófilos possam tratar dos seus pombos e participem da melhor forma nas provas”.

António Graça assegura que “ao nível do país não há outra aldeia como esta”. O presidente da Sociedade Columbófila adianta que “o próprio terreno é óptimo. A Câmara dentro das suas possibilidades apresentou-nos espaços para podermos instalar a aldeia e este foi sem dúvida o melhor”.

A grande aposta da Sociedade, que conta com 50 associados, 13 dos quais competidores em provas nacionais e internacionais, é aumentar o número de praticantes da modalidade. “No futuro queremos que a nossa aldeia cresça e que ali possam vir a ser instalados mais pombais, para novos praticantes. Isto porque os outros colegas praticantes têm espaços próprios para os seus pombos”.

O objectivo, diz António Graça é cativar os jovens para a modalidade. “Sabemos que isso não é fácil, pois exige algum investimento e muita disponibilidade de tempo. Uma campanha não se faz com menos de 80 pombos e é preciso alimentá-los e tratá-los. Mas nós cá estamos para os apoiar”. Um apoio que pode passar pela oferta de pombos jovens (borrachos).

Provas em Fevereiro

Com o arranque das provas previsto para Fevereiro, os primeiros quatro columbófilos com casa na dita aldeia têm agora que habituar os seus atletas a regressar ao novo pombal. “Esta nova aldeia veio substituir antigos pombais que estávamos a utilizar na zona industrial”, explica António Graça.

José Mourão Lourenço é um dos columbófilos residentes na aldeia. Praticante da modalidade desde 1974, mostra-se encantado com o novo pombal. “Não poderia haver melhor local”, explica enquanto segura ternamente a pomba que lhe conquistou a medalha de ouro em Barcelona.

Para António Graça os títulos alcançados pelos praticantes albicastrenses são o exemplo da qualidade e dedicação com que encaram a modalidade. “No ano passado conquistámos quatro provas distritais, entre as 21 disputadas. Ou seja os nossos 300 pombos destacaram-se entre os cinco mil que estiveram em competição”.

As provas são disputadas nos distritos de Portalegre e Castelo Branco, nos eixos Elvas-Avis e Avis-Covilhã. “Para este ano teremos sete provas de velocidade (até 300 km), sete de meio fundo (até 500 km), sete de fundo (até 800 km) e duas de grande fundo – mais de 800 km – (Barcelona e Igualada, em Espanha)”, esclarece António Graça.

A nova aldeia passará a ser gerida pela Sociedade Columbófila, através de um protocolo com a autarquia.

1.jpg

 

2.jpg

 

3.jpg

 

4.jpg

 

5.jpg

 

6.jpg

Pombal José Mourão

 

7.jpg

Pombal José Mourão

 

8.jpg

Pombal João Andrade

 

9.jpg
Pombal João Andrade

Columbófilos com aldeia para fomentar prática desportiva (Castelo Branco)

10.jpg

A cidade de Castelo Branco está dotada de uma «aldeia columbófila» considerada das «mais modernas do país» e que, com capacidade para albergar cerca de 1.200 pombos, visa fomentar o gosto pela columbofilia na região.

Localizada no Parque de Desportos Motorizados, na recta do Lanço Grande, aquela estrutura pode vir a receber um número superior de aves, pois, segundo António Graça, presidente da Sociedade Columbófila de Castelo Branco (SCCB), «a ideia é que a aldeia cresça e faça despertar o gosto da columbofilia junto das gerações mais novas».

Velho anseio da SCCB, o investimento foi suportado pela Câmara Municipal de Castelo Branco.

Numa primeira fase, a aldeia é composta por quatro pombais, com sistemas de drenagem e todas as condições consideradas necessárias para acolher os pombos.

Joaquim Morão, presidente da autarquia, mostra-se satisfeito com a construção da aldeia columbófila.

«Estamos a falar de um conjunto de pombais, construídos de acordo com todas as regras exigidas e os materiais mais modernos», disse.

Segundo o autarca, com este investimento, «a autarquia respondeu positivamente aos anseios da Sociedade Columbófila, que tem participado em muitas provas nacionais e internacionais».

«Com esta aldeia, criámos as melhores condições para que os columbófilos possam tratar dos seus pombos e participem da melhor forma nas provas», acrescentou.

António Graça, por seu turno, mostra-se seguro de que, «ao nível do país, não há outra aldeia como esta».

A grande aposta desta colectividade, que conta com 50 associados, 13 dos quais competidores em provas nacionais e internacionais, é aumentar o número de praticantes da modalidade.

«No futuro, queremos que a nossa aldeia cresça e que ali possam vir a ser instalados mais pombais, para novos praticantes. Isto porque os outros colegas praticantes têm espaços próprios para os seus pombos», disse António Graça.

O objectivo, de acordo com o presidente da SCCB, é cativar os jovens para a modalidade.

 

Columbófilos da Sociedade Columbófila de Castelo Branco