HistóriaVisitas: Contador de Visitas 

Breve resenha histórica da minha vida enquanto columbófilo:

Pombos cultivados: Pombos de António Vieira, Azull 45, Azul 80, Azul 19, todos eles grandes voadores, mais tarde foi introduzida uma fêmea Fabry via Amado Albuquerque, dos grandes pombos de José Maria da Silva / Alvaro da Silva de onde actualmente descende mais de 40% da colónia.

Tive contacto com os pombos desde cedo aos 4 anos já acompanhava o meu avô na columbofilia, passei horas e dias e dias com ele a falar e tratar dos pombos. Aos 6 já tinha 2 pombos para tratar, aos 10 já competia no nome do meu pai, aos 12 no meu nome, a pedido do meu falecido Avô, a quem devo grande parte da formação como homem.

António Vieira

Juntamente com o meu saudoso avô fiz o meu 1º pombal, excelente a forma como tirava as medidas e serrava as peças, tudo encaixava na perfeição. Embora na foto pareça um pouco tosco, tudo funcionava.

Mais tarde e após andar alguns anos a tratar dos, na altura fantásticos pombos, do grande amigo João de Sousa (Tri Campeão em Vilar do Paraíso) durante as férias deste, mandamos fazer uns ninhos, o meu pai teve de fazer uns biscatos extra e alguns sacrificios para os poder adquirir, eram tempos dificeis.

A pequena voliere fui eu e o meu avô que a construimos. como sempre tudo encaixava na perfeição.

Em 1998 após o falecimento do meu Avô, António Vieira, columbófilo desde os 18 anos, fiquei com toda a colónia, tive támbem de reduzir o pombal apenas para dois, com reprodutores e voadores, mais recentemente a minha avó deixou aumentar um pouco o pombal, a classificação de mais relevo foi ter ficado em 10º Classificado da Geral do Bloco 1 em 2007 (com uma equipa de 25 fêmeas adultas), um dos Blocos mais fortes da ACDP, com vários campeões a nivel distrital e nacional, No Bloco 1 estão os columbófilos de Gaia, a cidade com maior concentração de columbofilos do mundo.

Nos ultimos dois anos as coisas não correram tão bem, o normal para um columbófilo de pequenas dimensões que começa a campanha com 30 pombos adultos e 30 a 35 borrachos, enviando 25 a Vel. e M.F. e uma média de 10 a Fundo. A renovação dos bons pombos é mais dificil.

No ultimo ano o sogro do meu irmão desistiu dos pombos, e fez sociedade comigo, formando a equipa Soares & Vaz, vamos começar a formar equipa de pombos para tentar, fazer umas coisas bonitas.   

Raças cultivadas: "Azu 19" um pombos de 1985 que foi 4 anos consecutivos o melhor pombo de Fundo da Sociedade Col. Coimbrões, quando esta ainda encestava mais de 1000 pombos, no ano em que se fez doublagem na Sociedade Col. Madalena ganhou a nilha de ouro de Fundo nas duas Sociedades; O "Azul 80" e o "Azul 45" dois pombos de 1984 provenientes do pombal do falecido Loureiro, das devesas, sendo que o Azul 80 era tio do Azul 19. Mais recentemente foram sendo itroduzidos alguns pombos da excelente colónia de Cesário & Abílio Pereira e alguns adquiridos a Op de Beeck Baetens. 

O 146945/84

O velho "45" pai e avô de vários bons pombos no meu pombal e de amigos. Este pombo tem um grave defeito na asa secundária, duas penas desta parte da asa crescem rectilíneas e não com o formato natural, a maior parte dos columbófilos de hoje em dia teriam eliminado o pombo pois este referido defeito tira-lhe poder de sustentação em voo, mas o meu Avô manteve este crack nas suas fileiras e ele compensou-o com prémios, a sua vontade de vir para casa o mais rápido possível, o seu querer eliminava qualquer defeito. Os seus filhos, netos e bisnetos ainda hoje demonstram grande capacidade, vitaidade e amor pelo pombal. Morreu com 23 anos de idade, encheu ovos até aos 16 anos. De destacar os prémios obtidos peos netos, um 2º distrital de Alcoy em 2005 num concurso durissimo com vento de bico forte, e muito mais.   

Assim que me for lembrando de mais coisas para completar a já longa história, aqui as irei escrevendo, se possível documentá-las com fotos.