NotíciasVisitas: Contador de Visitas 
CONTENCIOSO COM A ASSOCIAÇÃO COLUMBOFILA DISTRITO LISBOA 05-05-2014

 

 1-      INTRODUÇÃO

Uma vez que até ao momento e de forma incompreensível, a direção da ACDL e o Sr. Carlos Alberto Ferro Teixeira não esclareceu os seus associados e praticantes, do resultado dos 2 (dois) processos em Tribunal que nos foram colocados e porque temos sido constantemente questionados por columbófilos pelos resultados destes Processos, e porque entendemos que a VERDADE tem de ser claramente conhecida, chegou a hora de divulgarmos a todos os associados, praticantes e a toda a columbofilia em geral, TODA A VERDADE sobre este tema.

A direção da ACDL colocou-nos em Tribunal, no 4º juízo, 2ª secção processo nº 11684/10.1 TDLSB, onde nos foi colocado um processo de acusação penal e um processo de pedido de indemnização civil no valor de 7.800€ de danos morais e patrimoniais à instituição Associação Columbófila Distrito Lisboa.

Também o sr. presidente e empregado da ACDL Carlos Alberto Ferro Teixeira, colocou particularmente 2 (dois) processos em tribunal contra nós, no 4º juízo, 2ª secção processo nº 11684/10.1 TDLSB, onde nos foi colocado um processo de acusação penal e um processo de pedido de indemnização civil no valor de 11.650€ de danos patrimoniais e de 18.300€ de danos morais, totalizando os pedidos de indemnização o valor de 29.950€ para o sr. presidente/empregado Carlos Alberto Ferro Teixeira.

Passados 3 anos de Tribunal e 12 seções de audiência, decidiu a Justiça Portuguesa que os Srs. António Joaquim da Silva Morais e João Pedro Castilho da Silva Morais seriam 100% absolvidos de todos os processos iniciados, e que ficaria a ACDL e particularmente o sr. presidente e empregado  Carlos Alberto Ferro Teixeira responsáveis por suportar todos os custos dos referidos processos, que totalizam largos milhares de euros.

Aguardámos tranquilamente pelo final do mês de Março, data da habitual Assembleia Geral da ACDL, onde estávamos convencidos que o elenco diretivo da ACDL teria a oportunidade e a hombridade de esclarecer as 22 coletividades presentes, do resultado catastrófico dos referidos processos em Tribunal e da forma abusiva como utilizaram o dinheiro dos columbófilos do Distrito de Lisboa, para pagar todas as despesas envolventes.

Como nesta Assembleia viram-se as coletividades privadas de serem esclarecidas sobre este tema, uma vez que foi-lhes negado os habituais e obrigatórios 30 minutos antes ou depois da ordem de trabalho para questões fora da ordem de trabalho, vimo-nos na obrigação de sermos nós a esclarecer os Associados e Praticantes do Distrito de Lisboa sobre este tema.

Este documento serve para contextualizar desde o início este “contencioso” com a ACDL, brevemente colocaremos a sentença de Tribunal para que os Associados e Praticantes do Distrito de Lisboa tenham total conhecimento.

Desde 2005, data em que as pessoas que agora estão á frente da ACDL, assumiram os destinos da associação de Lisboa, que em conjunto com alguns amigos que prezam a justiça e a verdade desportiva, temos  emitido opiniões publicas contra os poderes instituidos e as suas praticas de gestão erradas, injustas e despesistas, tentando alertar os Columbófilos do distrito para uma gestão errada,  desportiva e económicamente.

         Dessas movimentações resultaram sucessivas derrotas para os poderes instituidos,  como foram os seguintes casos ;

         

A)     ORÇAMENTO PARA O ANO DE 2006

Por uma larga maioria, as coletividades  do distrito NÂO APROVARAM O  ORÇAMENTO PROPOSTO  PELA ASSOCIAÇÂO  PARA 2006, o qual se traduzia em enormes aumentos nos custos das caixas e dos pombos de fundo, aumentos esses que eram da ordem dos 40 %, face aos mesmos custos do ano anterior, OBRIGANDO  A  ACDL  A RECUAR  E  A  APRESENTAR  UM NOVO  ORÇAMENTO  COM  OS VALORES  RETIFICADOS.

 

B)      REFERENDO DE 2009 SOBRE  O  CALENDÁRIO  DESPORTIVO  PARA  2010 A 2012

Fruto das intervenções publicas que protagonizamos, em conjunto com um conjunto de columbófilos amigos que pugnam pela justiça e pela verdade desportiva, e contra os “campeões” “feitos” á custa da localização dos pombais, viu a associação de Lisboa o seu projeto de calendário desportivo para o trienio 2010 a 2012, SER AMPLAMENTE DERROTADO, já que 53,6 % dos columbófilos, portanto UMA MAIORIA ABSOLUTA, votaram num calendário com a  linha de voo NORDESTE, e mais 14,2 % dos Columbófilos votaram numa linha de voo a NORTE, CONSTATANDO-SE  ASSIM  QUE  67,8 % dos COLUMBÒFILOS, EM  REFERENDO  EXPRESSAMENTE  CONVOCADO  PARA  O  EFEITO,  DISSERAM  CLARAMENTE  QUE  NÃO  QUERIAM  VOAR  DA  LINHA  LESTE, COMO  ERA  DEFENDIDO  PELO  EXECUTIVO  associativo, infringindo ao mesmo uma pesada  derrota.

 

C)      PROJETO  DE  CAMPEONATO  TOTAL “FANTASMA”, A REALIZAR  PELA  COLETIVIDADE  DE  CAMARATE,  DIVULGADO  E  PUBLICITADO,  DEPOIS  DE TERMINADA  A CAMPANHA  DESPORTIVA  DE  2010.

A associação de Lisboa apoiou e deu “cobertura” a uma “atrocidade” regulamentar que a direção da coletividade de Camarate pretendia implementar, depois de terminada a campanha desportiva de 2010, criando o “fantasmagorico” campeonato total, feito á medida e de modo a que nos fosse retirado na secretaria, O  CAMPEONATO  GERAL  QUE  HAVIAMOS  GANHO  NAS  18  PROVAS  DA CAMPANHA,  com o RDN em vigor.

Recorremos da decisão da coletividade e da associação de Lisboa para o Conselho de Arbitragem da Federação, O QUAL NOS DEU RAZÃO A 100%, OBRIGANDO  A  COLETIVIDADE   A  REPOR  A  VERDADE  NAS  CLASSIFICAÇÔES,  E  CRITICANDO   VEEMENTEMENTE, NO  ACÓRDÃO  ENTÃO  PROFERIDO  NO ÂMBITO  DO  PROCESSO    3/CA/2010,  A  FORMA  DE  ATUAÇÂO  DA  associação de Lisboa em todo o processo.

 

Em tópico especifico daremos á estampa o conteudo do Acórdão do Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Columbofilia, que acima referimos, por nos paracer importante a sua divulgação, já que é a prova provada que vale a pena lutar contra a prepotência dos poderes instituidos, quando os regulamentos são “atropelados” e utlizados a belo prazer de uns quantos.

 

D)     REFERENDO  DE  JUNHO  DE  2012, SOBRE  O  CALENDÁRIO  DESPORTIVO  PARA  OS PRÓXIMOS  4  ANOS

Numa nova tentativa de impor a sua vontade em voar de Leste,  e ignorando completamente os resultados do referendo realizado em 2009, decidiu o executivo associativo realizar um novo referendo em Junho de 2012, anunciando que os resultados que se viessem a verificar seriam válidos para os próximos 4 anos.

Uma vez mais, fruto das intervenções publicas que protagonizamos, em conjunto com um conjunto de columbófilos amigos que pugnam pela justiça e pela verdade desportiva, e contra os “campeões” “feitos” á custa da localização dos pombais, viu a associação de Lisboa a “sua” linha de voo amplamente derrotada.

Mesmo colocando a referendo 7 calendários diferentes, numa tentativa de “baralhar e confundir”, e levar eventualmente á dispersão dos votos, acreditando que assim seria mais fácil surgir como vencedora a “sua” linha de voo preferencial, ou seja, de Leste, a associação de Lisboa viu 50 % dos Columbófilos, ou seja, UMA MAIORIA ABSOLUTA  DOS  VOTOS  VALIDAMENTE  EXPRESSOS, votarem no Calendário 2, ou seja numa linha de voo de Nordeste-Alto, identificada como eixo  Lisboa – Vitória.

Verificaram-se ainda 4,6 % de votos na linha de voo de Norte, identificada como eixo Lisboa – Corunha, e ainda 6 % dos votos na linha de voo de Nordeste – Baixo, identificada como eixo  Lisboa – Saragoça, CONSTATANDO-SE  ASSIM QUE, UMA  VEZ  MAIS,  EM  REFERENDO  EXPRESSAMENTE  CONVOCADO  PARA  O  EFEITO,  60,4 %  DOS  COLUMBÒFILOS  DO  DISTRITO  INFLIGIAM  NOVA  E  PESADA  DERROTA  AO  EXECUTIVO  associativo, dizendo, claramente, que queriam voar de Nordeste, e QUE  NÂO  QUERIAM  VOAR  DE  LESTE (MERIDA, CACERES, etc)

 

2 – O  FÓRUM  COLUMBOFILIA.NET  COMO  DESPERTAR  DAS  CONSCIÊNCIAS

 

Paralelamente a estes acontecimentos, nós utilizavamos as paginas do Fórum Columbofilia.net  para despertar as consciências dos Columbófilos do distrito de Lisboa e a opinião columbófila em geral, opinando e dinamizando Tópicos relativos ás más  praticas da associação columbófila do distrito de Lisboa, como foram nomeadamente os seguintes tópicos;

 

1 – CAMPANHA  2010-2012, TSUNAMI  NO  DISTRITO  DE  LISBOA!

2 – ASSOCIAÇÂO  DE  LISBOA,  A INFORMAÇÂO  OU  A  FALTA  DELA!

 

3 – A  ACTUAÇÃO  DO EXECUTIVO  DA  ASSOCIAÇÃO  DE  LISBOA

 

O executivo da associação lisboeta, e nomeadamente o seu presidente/empregado, nunca nos perdoaram o facto de emitirmos opiniões contrarias ás suas ideias, e de as defendermos em publico, já que as mesmas, de algum modo, estiveram na base das suas sucessivas derrotas, como acima exemplificamos, pelo que, utilizando abusivamente os dinheiros da associação, resolveu colocar-nos um processo em tribunal, o que aconteceu no final do ano de 2010.

 

Este facto, é aliás expressamente referido no Relatório e Contas da Direção relativo ao ano de 2010, apresentado e votado na assembleia geral realizada em 18 de Março de 2011, onde se diz textualmente no item 7 do mesmo, e citamos; ”Infelizmente a acdl viu-se forçada  a apresentar duas queixas-crime, no DIAP de Lisboa (as quais correm os trâmites legais), contra dois columbófilos do distrito que se excederam para alêm dos limites do razoavel nas suas criticas”, fim de citação.

 

A associação de Lisboa volta a referir expressamente  este assunto no Relatório e Contas da Direção relativo ao ano de 2011, apresentado e votado na assembleia geral realizada em   30 de Março de 2012, onde se diz textualmente no item 7 do mesmo, e passamos a citar; “Fruto das queixas-crime apresentadas no DIAP de Lisboa, por difamações proferidas por dois columbófilos do distrito de Lisboa, contra a acdl e o seu presidente da direção, encontra-se já marcada a audiência dos mesmos em Tribunal”, fim de citação.

 

De forma perfeitamente desabrida e desajustada,  no tempo e no modo, emitiu a acdl um seu comunicado sobre este mesmo assunto, datado de 14 de Maiode 2013, e publicitado no seu site, tentando denegrir-nos  e até mesmo “achincalhar-nos” publicamente, numa patética fuga para a frente, fazendo-se de “vitima” e de “virgem ofendida”, quando as opiniões por nós emitidas nos escritos dos Tópicos do site Columbofilia.net, eram perfeitamente iguais a tantos outros escritos por tantos outros Columbófilos, dos mais diversos pontos do Pais, já que nunca ofendemos ninguem, apenas atacamos e criticamos ideias, e actos de gestão que consideramos errados e despesistas, apelidando de mentirosos, demagogos, maus gestores, etc, os componentes do executivo associativo, e, nomeadamente, o seu presidente/empregado.

 

Em tópico especifico daremos á estampa o descabido comunicado associativo que acima referimos, e que, de forma “ingenua” ,  foi retirado do site da associação, no dia imediatamente seguinte á divulgação da sentença em Tribunal (05/12/2013). Sintomático.

 

Surpreendentmente, ou talvez não, embora  se tenha realizado o julgamento em tribunal durante os meses de Novembro e Dezembro de 2013, e a respectiva sentença tenha sido proclamada no dia 05 de Dezembro de 2013, a acdl nada diz sobre este assunto no Relatório e Contas relativo ao ano de 2013, e apresentado e votado na assembleia geral que se realizou em 28 de Março de 2014, mudando de “táctica”, silenciando o assunto, e não fornecendo aos clubes presentes na referida assembleia geral nenhuma explicação, como seria perfeitamente natural que acontecesse.

 

Porque terá a acdl, “ingenua e candidamente”,  silenciado o assunto?

 

No decorrer de todo este processo, a associação de Lisboa, nomeadamente o seu presidente/empregado, utilizou amiudadas vezes um ar triunfalista, e fez sempre passar para a opinião publica a ideia de que seriamos “condenados” em tribunal, perdendo assim o processo, PELO  QUE  TEVE  QUE  ENGOLIR  EM  SECO  O  SEU  TRIUNFALISMO  BALOFO  E  PATETICO, face a uma sentença clara, arrasadora e despretigiante para a associação de Lisboa, como se pode perfeitamente perceber pela leitura da referida sentença.

 

Não teve assim o executivo da acdl, a ombridade de assumir publicamente os custos morais e materiais da sua irresponsavel  e parcial conduta, atraves da qual arrastou  o nome da associação para um conflito desnecessário,  despretigiante, e de contornos mal explicados.

 

Segundo os Relatórios e Contas dos ultimos anos, foram os seguintes os valores gastos em Contencioso e  Notariado;

 

Relatório de 2010 – Conta nº 6265 – 2.204 euros

Relatório de 2011 – Conta nº 6265 – 4.624 euros

Relatório de 2012 – Conta nº 2781 – 3.000 euros

Relatório de 2013 – Conta nº 2781 -     878 euros

Relatório de 2013 – Conta nº 6265 – 1.197 euros

                                    TOTAL -  11.903 euros

 

Não sabemos se já estão contabilizados todos os custos inerentes a esta situação, pois a sentença apenas foi proferida em Dezembro de 2013, pelo que ainda poderão aparecer eventuais custos contabilizados nas Contas de 2014.

 

O que estranhamos e não compreendemos, é que sendo a Advogada que representou a associação e o seu presidente/empregado neste processo, a actual Presidente do Conselho de Disciplina da associação, tenham sido contabilizados custos tão elevados.

 

Não deveria uma pessoa componente dos Órgãos Socias da associação, prestar serviços gratuitos á referida associação?

 

E, já agora, sendo a Advogada representante da associação e do seu presidente/empregado, a actual Presidente do Conselho de Disciplina da associação, logo conhecedora dos Regulamentos e dos Estatutos, não seria lógico que, a existir matéria disciplinar de facto, em vez de terem “arrastado” a associação para um processo  em tribunal, sempre desgastante, imprevisivel, caro e que se revelou desprestigiante para a associação e seu executivo, nos fosse aberto o competente processo de inquerito, visando um eventual processo disciplinar?

Dá a ideia de que alguem pretendia ganhar dinheiro com este assunto, pois só assim se compreende a escolha da via atraves do tribunal,  em  detrimento da  via disciplinar desportiva, a qual seria mais fácil, mais rápida, e, incomparavelemnte, mais económica.

 

Em tópico especifico, daremos aqui á estampa um extracto da sentença proferida pelo tribunal, da qual expurgaremos as partes em que são transcritos os textos por nós colocados no site columbofilia.net, no sentido de tornar a leitura da referida sentença mais facilitada, pois pensamos tratar-se de um documento muito importante para o completo restabelecimento da verdade dos factos, para informação dos Columbófilos lisboetas em particular, e da opinião publica Columbófila em geral, já que durante todo este tempo, de algum modo, a nossa imagem publica esteve afetada, o que obviamente nos incomodou.