NotíciasVisitas: Contador de Visitas 
" A multiplicação dos pães " 25-02-2016

“A multiplicação dos pães”

 

José F. Coxo - Arraiolos

 

 

“ Quando Jesus soube que João Baptista havia sido morto, retirou-se solitariamente para um local em Betsaida. A multidão ( cerca de 5.000 pessoas)  que o seguia a pé continuou com ele e com o  aproximar da noite os discípulos começaram a estar preocupados porque a região era desértica e toda aquela gente há horas que nada comiam. Foram falar com Jesus no sentido de que desmobilizasse todas  aquelas pessoas porque nada tinha para lhes dar de comer, apenas e só cinco pães e dois peixes.

Jesus pediu-lhe que lhe trouxessem o que tinham , sentou-se no chão, olhou para o céu e rezou e pegando nos alimentos agradeceu por eles e multiplicou-os. Todos comeram com satisfação e no final tinham ainda sobrado doze cestos com pão “ ( Tudo  isto é descrito nos evangelhos segundo Mateus, Marcos, Lucas e João ).

 

Servi-me destas palavras porque penso que algures pelas áreas do médio oriente existiu alguém como Jesus (os seus continuadores é que deixaram muito a desejar…) . Sei que talvez ele hoje nos fizesse falta para multiplicar os nossos praticantes mas a realidade dos tempos é tão diferente que talvez nem ele conseguisse uma solução para as nossas necessidades.

Vem tudo isto a propósito desse” milagre” que o ano passado aprovámos nos órgãos máximos da columbofilia dos limites nos pombos como sendo algo que nos resolve toda a perda de columbófilos.

É bom lembrar que perdemos 50% dos nossos praticantes nos últimos 7/8 anos!

O limite dos  130 :

É muito cedo para nos pronunciarmos sobre o mesmo . Há toda uma realidade nacional que não conheço, como tal temos de esperar para ver se a Federação consegue saber como será o comportamento desses “ditos “que tem muitos pombos. Há necessidade de saber se eles caminham para a inscrição de 2 ou 3 equipas ou se pelo contrário se instalam apenas e só numa. Vamos esperar para ver mas, na minha lógica qualquer limitação tem sempre algo de contraproducente.

 

 

O limite dos 25/ 25/ 15  :

 

Esta medida já andava nos meandros da columbofilia desde os anos 90 e por vicissitudes várias  tinha sempre sido reprovada nos órgãos  máximos do nosso desporto. Mas  os seus mentores foram na sempre deixando em lume brando pensando que ela seria a descoberta da "pólvora "no nosso desporto...

Esta medida tinha sempre os seguintes pressupostos:

- criar uma maior competividade

-criar maior verdade desportiva

-dinamizar maiores equilíbrios

- mais mérito nas vitórias

- proteger os mais “pequeninos “( é um termo do qual não gosto)

Lendo com atenção estes cinco pressupostos parece-me que todos estamos de acordo com eles .

Quem é que não deseja isto na columbofilia ?

O problema que aqui reside é como é que isto vai se conseguido? Mas não foi o facto de se enviar mais cinco pombos nos diversos campeonatos que afastou os tais 50% de columbófilos. Até porque já existia os designados.

Na década de noventa  até podia ter alguma justificação porque estávamos naquilo que denomino de fase expansionista da columbofilia. Tínhamos muito columbófilos e enchíamos facilmente  os camions de todas as Associações . Por outro lado a conjuntura económica do nosso país era de certo  modo favoravel com a ajuda  de uns ventos que sopravam da Europa ( mas que não eram comandados pela senhora Merkel) mas sim por pessoas com visão politica e com posturas de construção de uma Europa solidária e tentando  uma  melhoria do nível de vida dos seus habitantes e numa tentativa de atenuar a diferença que existia entre os povos do norte e a área denominada do sul ( onde nos englobamos). Hoje os ventos são outros e os dirigentes politicos que temos nunca leram os denominados tratados que estiveram na formação da Comunidade Europeia e temos e iremos ter uma Europa de divisão e de enormes contradições e com pouco ou nenhum espirito de cooperação e solidariedade.

Neste contexto qualquer tentativa de redução de pombos se não fosse feita com pés e cabeça poderia transformar-se em algo de negativo para o nosso desporto. Várias vezes abordei esta temática e sempre pensei que os nossos dirigentes antes de aprovarem uma medida deste tipo deveriam ter ponderado todas as suas consequências. Até, nem quero acreditar, ter tudo sido aprovado sem um estudo que apresentasse um trabalho exemplificativo de uma ou duas Associações ou para duas ou três colectividade.

Sei perfeitamente que no nosso país sempre vivemos com atraso em relação a outros porque nunca planificamos , nunca pensamos em futuro, nunca prevemos o que pode aparecer. Basta pensar que já no inicio da industrialização estivemos 50/60 anos depois dos outros, basta pensar que demoramos a fazer a ponte sobre o Tejo e quando foi feita já estava esgotada para o transito que tinha etc etc . A columbofilia reflete , como não podia deixar de ser, a sociedade em que vivemos.

Hoje temos camions a mais para pombos e columbófilos a menos.

Como se pode aprovar algo sem um suporte de consequencias ?

Perdemos, sem dúvida, cerca de 50% dos nossos praticantes nos últimos 7/8 anos . Mas não foi por estas razões da falta de limites. Perdemos por envelhecimento, por falta de gerações mais novas, porque não captámos nem iremos conseguir captar praticantes jovens. Perdemos porque nunca tivemos politicas desportivas para a sua manutenção. Perdemos porque o nível de vida em Portugal teve uma estagnação e queda acentuadas. Perdemos porque continuamos com posturas dos anos 90 e estes já passaram há 25 anos ...

 O limitar era dito que iria fazer uma correcção e iria tornar igual o que era desigual !

Mas haverá algum desporto onde o limitar tenha sido sinónimo de progresso ?

O limitar é retroceder !

O limitar é condicionar !

O limitar é não deixar evoluir !

O limitar não é criar equilibrios!

Neste caso o limitar vai ter como consequência um aumentar do preço dos pombos por caixa !

Basta ler na Net  ( e foi isso que me chamou a atenção ) há dias três  columbófilos nas suas páginas virem abordar estas questões e um deles agora já com números reais. São os casos de Virgilio Azevedo de Famalicão, Luis Fonseca Marques e Luis Silva.

Virgilio Azevedo fez contas ( as tais contas que tinham de ser feitas antes da proposta ter sido apresentada e antes de ter sido votada pelos orgãos máximos da columbófilia) e chegou á conclusão que a sua colectividade perdia cerca de 4000 euros em comparação com o ano anterior. Mas afinal o que aprovaram ?

Luis Silva, pessoa que eu conheço das lides federativas e sempre o considerei pessoa cordata, dedicada e defensor dos pombos vem agora na sua página levantar algumas questões  ao modo como tudo isto foi preparado e aprovado…. 

Uma  Associação como a do meu distrito ou semelhante  quanto vai perder na campanha ? ( já alguém fez as contas ? ) .

Que solução lhe resta a não ser aumentar os preços?

Já o ano passado com a diminuição do número de pombos por caixa tivemos o maior aumento ( dos últimos 20/30 anos) no preço dos pombos, sem ninguem sequer ,se ter incomodado, e sem sequer se ter dado por isso.

 Não será isto mais uma vez um caminho para mais uns nos abandonarem ?

 

( Publicado no jornal Mundo Columbófilo de 26/ 02/2016 )