InícioVisitas: Contador de Visitas 

                           

ALERTA, NOVOS PARASITAS INTERNOS NAS AVES

Fruto da globalização, das “auto-estradas” intercambiais, das permutas e de grandes concentrações de aves oriundas de muitos países, surgem novos parasitas que não eram habituais em determinadas regiões, assim como um maior grau de infestação.

Em termos de instalações, e ao contrário do que muitos pensam, as grades por si só, não garantem a separação entre aves e os parasitas. As grades devem ser regularmente limpas, para eliminar as formas imaturas dos parasitas, quebrando o ciclo parasitário (cada 4 a 5 dias).

A escolha do produto antiparasitário interno é muito importante; existem antiparasitários formados por mais que uma substância ativa de forma a aumentar o espectro antiparasitário (também atua sobre ténias e tetrameres, parasitas cada vez mais frequentes), assim como alguns antiparasitários que só atuam a nível intestinal (piperazina) não atuando sobre os vermes circulantes (ex.: vermes capilares).

 Sempre que possível recomenda-se a administração dos antiparasitários internos na comida, de forma a assegurar que ingerem a dose correta, ao contrário da aplicação na agua de bebida, cujo consumo depende de vários fatores.

Os antiparasitários não atuam sobre os “ovos” dos parasitas, e a absorção do antiparasitário a nível intestinal (dos que são absorvidos) pode ser prejudicada por diversos fatores, razão porque se recomenda a repetição da desparasitação passado 21 a 23 dias de forma a assegurar a eliminação completa dos parasitas.

Quando das desparasitações deve-se proceder a limpezas profundas e desinfeções das instalações, de forma a impedir a desinfestação das aves.

Em casos de parasitismos, controlar o acesso das aves a locais exteriores passiveis de contaminação, como o solo, charcos, caleiros,etc.

As desparasitações internas baixam as performances das aves, devem efetuar-se antes dos períodos mais exigentes (concursos, criação e muda da pena).

Parasita – ser que vive à custa de outro, obtendo benefícios, prejudicando o outro.

Ciclos parasitários

O ciclo biológico é a série total de modificações experimentadas por cada individuo da especie, desde o momento que se verifica a fecundação até se converter em adulto sexualmente maduro.

 O conhecimento do ciclo biológico dos parasitas e das vias de transmissão, são muito importantes para evitar a infestação das aves.

Quanto aos ciclos biológicos os parasitas podem ser de ciclo:

- Direto quando só existe um hospedeiro, e a fase de vida livre se processa na água ou no solo até alcançar o estado infestante;

- Indireto – quando existem vários hospedeiros: o hospedeiro definitivo, que alberga o parasita no estado adulto e/ou os hospedeiros intermediários, que albergam o parasita nos estados larvares.

Nota: pode existir contaminação do hospedeiro por um parasita de ciclo indireto, sem que este tenha acesso ao hospedeiro intermediário, basta que seja expulso como larva infestante e ingerido de seguida; ou seja, uma transmissão atípica entre hospedeiros definitivos. Ocorre muitas vezes através de alimento regurgitado, ou agua contaminada por aves infectadas.

Vias de saída das formas parasitárias para o exterior

A eliminação de quistos, ovos, ou formas larvares pelos aparelhos digestivo, respiratório, urinário e reprodutor faz-se pelas aberturas naturais, veiculados com os produtos de eliminação dos respetivos aparelhos.

Os parasitas dos pulmões, as formas infestantes (ovos ou larvas) vêm para o exterior com as fezes ou secreções nasais.

Uma ave parasitada, quando alimenta a sua cria, transmite a parasitose, o que explica o aparecimento de aves parasitadas relativamente jovens.

Efeito do parasitismo sobre o hospedeiro

O parasita utiliza o hospedeiro como habitat temporário ou permanente, mas também se serve dele como fonte direta ou indireta de alimentos, utilizando os mesmos tecidos do hospedeiro ou usufruindo de substâncias que este prepara para a sua própria nutrição.

- Ação espoliadora – consiste no desvio ou subtração de produtos do hospedeiro, muitas vezes seletiva sobre determinadas substâncias, principalmente os minerais.

Ação toxica – produção de toxinas, resultantes do metabolismo.

Ação traumática e infeciosa – destruição parcial dos órgãos durante as migrações larvares.

Ação mecânica – implica uma ação destrutiva, como a perfuração de um orgão, destruição de células (Coccidioses), formação de “rolhões” no intestino.

Ação irritativa e inflamatória – provocada pelo parasita em contacto com os tecidos e epitélios.

Ação perturbadora do metabolismo – resultante do desequilíbrio orgânico provocado pela ação do parasita.

As doenças parasitárias são um fator impeditivo do crescimento, provocando emagrecimento e diminuição da resistência orgânica, tornando as aves mais recetivas a outras doenças. A evolução das doenças parasitárias apresenta sintomatologia pouco expressiva, desenvolvendo-se lentamente. As desparasitações efetuadas nas épocas certas com fármacos adequados e na dosagem correta, são essenciais no controle do parasitismo. O fármaco que aconselhamos é o VetvermPlus, atua sobre todo o tipo de vermes internos. O fármaco que aconselhamos é o vetverm plus, atua sobre todo o tipo de vermes internos.

Os VetvermPlus contem praziquantel + levamizol + vitamina c.

Vermicida interno de largo espectro.

 

 

  


 

Necessidades vitamínicas e aminoácidos, fatores de variação …?

As necessidades vitamínicas do organismo variam ao longo do ano; dependendo das fases produtivas e reprodutivas.

Umas vitaminas são mais essenciais na reprodução e criação/crescimento (vit.A,d3,E); outras estão mais ligadas ao desempenho das funções digestivas e atividade funcional, de um modo geral as vitaminas do grupo B.

Todas as vitaminas são necessárias durante todo o ano e em todas as fases, só que o grau de exigência de determinado grupo de vitaminas é maior numa fase do que outra.

Necessidades vitamínicas como variam com a temperatura?

Quando as temperaturas são mais elevadas, diminui a necessidade de vitaminas lipossolúveis (Vit. A, D3 e E); se permanecer durante uns tempos com doses elevadas

(hipervitaminoses) provoca intoxicação, principalmente hepática.

Enquanto as vitaminas hidrossolúveis (vitaminas do grupo B e vitamina C), são facilmente eliminadas do organismo, as vitaminas lipossolúveis são armazenadas no organismo, principalmente no fígado.

Com temperaturas altas as necessidades de vitamina C aumentam bastante devido aos seus efeitos antioxidantes e à participação no ciclo de krebs relacionado com o metabolismo energético.

Em termos alimentares, é fácil satisfazer as necessidades energéticas do organismo à custa de hidratos de carbono e gorduras, recorrendo em ultimo caso às proteínas,já o mesmo não podemos dizer das necessidades de proteína/aminoácidos, uma vez

que existe um conjunto de aminoácidos chamados essenciais, os quais o organismo não consegue sintetizar; têm de ser fornecidos na alimentação.

Regra geral as sementes não possuem ou são pobres nesses aminoácidos essenciais, pelo que têm de ser administrados através de suplementos.

As aves em competição têm necessidades acrescidas em aminoácidos, para o desenvolvimento muscular, assim como a reposição dos tecidos degradados e consumidos pelo esforço físico,quando os hidratos de carbono e as gorduras não são suficientes.

Necessidades vitamínicas e aminoácidos, fatores de variação …?

Os animais tentam por todos os meios satisfazer as suas necessidades/carências; apresentando por vezes comportamentos estranhos.

Na natureza mesmo as aves não insectívoras por vezes ingerem pequenos animais, como forma de aumentar o nível proteico e obter aminoácidos essenciais que rareiam nas sementes.

Quando as necessidades proteicas e o seu metabolismo são elevados, devemos administrar aminoácidos, evitando desta forma a administração de uma ração muito proteica, a qual tem uma digestão mais complexa e penosa para o organismo devido à

produção de ácido úrico que intoxica o organismo e afeta os rins. A digestão das proteínas é mais complexa, requerendo um consumo energético superior, ocasionando maior produção de calor. 

Um dos produtos resultante da digestão das proteínas nas aves é o ácido úrico, que tem de ser dissolvido em água e eliminado do organismo, originando sobrecarga no sistema excretor e maior consumo de água.

As necessidades de água aumentam para diminuir o efeito do calor produzido e para manter a homeostasia (valor normais nos tecidos e no sangue), através da dissolução e eliminação do ácido úrico.

Eis as razões porque as rações administradas no dia do enjaulamento e antes das competições devem ser pobres em leguminosas.

Nas fezes normais, quando a parte superior se apresenta branca (urato) bem definida e espessa, indica que as necessidades proteicas estão satisfeitas; deve-se baixar o nível proteico da alimentação,

sobre risco de criar sobrecarga renal, caso se prolongue leva ao aparecimento da doença chamada “gota”.

Apresentamos o VitaPombo, complexo de vitaminas do grupo B e aminoácidos

 

9 VITAMINAS

 Vitamina K3                                        Vitamina B1

 Vitamina B2                                        Vitamina B6

 Vitamina B12                                      Pantotenato de Cálcio

 Nicotinamida                                      Biotina

Colina

 18 AMINOÁCIDOS                    

Ácido aspártico                                  

 Ácido glutâmico

Alanina                                               

Arginina   

Cistina                                                

Fenilalanina

Glicina                                                 

 Histidina

Isoleucina                                            

Leucina

Lisina                                                   

 Metionina

Prolina                                                 

Serina

Tirosina                                               

Treonina

Triptofano                                          

 Valina

 Utiliza-se o VitaPombo para:

 Reposição e desenvolvimento da massa muscular;

- Melhorar e/ou complementar o “pool ” de aminoácidos da dieta;

- Crescimento dos animais;

- Muda da pena (as penas contém cerca de 90% de proteína, razão pela qual as necessidades em aminoácidos são muito elevadas nesta fase);

 - Treino e atividade física intensa;

- Animais debilitados;

- Melhorar a quantidade e qualidade de “papa” produzida na fase de eclosão e primeiros dias de vida;

- Após vacinações, para a produção de imunoglobulinas;

 

Quando utilizar o VitaPombo?

- Criação e desenvolvimento de animais jovens;

- Atividade física, treinos e provas;

- Muda da pena / emplumação, uma vez que 90% das penas é proteína que não só metionina;

- 4 Dias antes e 4 dias depois da eclosão, assegurando produção de “papa” em quantidade e qualidade;

- Entre os 12 e 21 dias de idade, altura de grande desenvolvimento corporal;

- Dia seguinte à chegada de provas desgastantes;

- Altura da postura, fornecendo aminoácidos indispensáveis para a formação do ovo;

- Ovos de pequeno calibre (não exagerar a aplicação em fêmeas a reproduzir muito novas, para evitar problemas na postura);

- Desmames;

- Desenvolvimento (aumento) da massa muscular;

- Sempre que exista necessidades acrescidas de vitaminas do grupo b e/ou aminoácidos.

 

Dias de aplicação por semana, de preferência intercalados

- Início do exercício físico – 2 dias; 

- Reprodução e crescimento – 2 a 3 dias;

- Muda da pena – 2 dias;

- Concursos – 1 dia, 2 dias nas provas mais desgastantes;

- Jovens em crescimento e a mudar a pena – 3 dias;

- Vacinações – 1 dia antes e 2 dias depois. 

 

 

  Veja o video em :  https://www.facebook.com/ct.pigeons/videos/1418781628219023/

 

 


            MÚSCULOS, TENDÕES E ARTICULAÇÕES

 Acabou o repouso físico, intensifica-se a atividade geral

Durante a muda da plumagem as aves ficam sujeitas a atividade física reduzida e a uma
alimentação generosa

para formação da nova plumagem, sobrecarregando o organismo.


A dieta alimentar deve sofrer restrição na quantidade, não na qualidade.

O stresse da fome, também consome….

As baixas temperaturas, o frio, o exercício físico, exigem alimento.

Os níveis de proteína / aminoácidos são essenciais para “ trocar” tecido adiposo por massa muscular;

a nível do fígado, queimam-se as gorduras e formam-se proteínas, sobrecarregando este orgão,

que muitas vezes já se encontra bloqueado por gorduras acumuladas.

É um período de stresse e alterações orgânicas, a saúde gastrointestinal e o sistema imunológico deve ser reforçado;

através do uso de um bom probiotico, que assegure um bom desenvolvimento

e colonização da flora intestinal saprófita (benéfica).

O exercício físico inicialmente livre deve aumentar de forma gradual.

Sempre que possível deve existir uma “aclimatização” das aves à temperatura exterior,

 evitar as primeiras horas da manhã

e as últimas da tarde, sempre mais frias, assim como ventos fortes.

Regressados ao pombal, devem ficar numa zona ampla, que permita “exercício físico de arrefecimento”;

 evitar as correntes de ar e amplitudes térmicas.

Controlar possíveis infeções de “ estafilococos a nível articular”, muito incidente nesta fase.

Em termos nutricionais, assegurar as necessidades de aminoácidos e minerais essenciais ao desenvolvimento

e resistência dos músculos e tendões, provocados pelo exercício físico.

A desobstrução das vias respiratórias superiores é fundamental para assegurar uma boa “Oxygenação” do organismo.

As principais enfermidades (tricomonas, coccidioses, vermes) que afetam o pombo devem ser controladas.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.